O Atlético Clube Paranavaí (ACP) terminou domingo passado (06/05) sua participação no Campeonato Paranaense de Profissionais da 2ª Divisão com resultados considerados ruins para suas conquistas e tradições.
No geral, ficou colocado em 5ºlugar – ou seja, no meio da tabela que teve a participação de 10 clubes. Com rodadas de antecedência o time de Paranavaí já tinha perdido as esperanças de ascender à 1ª Divisão no próximo ano.
Mas, fora os tropeços que teve, alguns registros entram para a história e forçam o futebol profissional paranavaiense a esquecer o ano de 2018.
Na 1ª fase teve resultados importantes e terminou em 3º lugar, com 5 vitórias e apenas 3 derrotas e um empate. O pior foi na 2ª fase: apenas uma vitória, 2 empates e 3 derrotas.
Não bastasse isso ainda sofreu um roubo no ônibus em Curitiba na última rodada onde se hospedara para o jogo do dia seguinte em São José dos Pinhais contra o Independente e depois na 2ª fase não teve ônibus que o transportasse para o jogo contra o mesmo adversário e perdeu por Wx0.
No último jogo em Paranavaí, depois de contornar uma crise interna, ainda goleou o Cascavel por 4×1, num jogo sem interesse para nenhum dos dois.
Nesse jogo de encerramento, inclusive, o ACP esteve na iminência de ser rebaixado para a 3ª Divisão devido a ausência de um médico, como é exigido pelo regulamento do campeonato. Faltavam nove minutos para o apitador dar a questão por encerrada, quando a Diretoria conseguiu o profissional e o jogo foi iniciado.

CADÊ A TORCIDA?
Torcida do ACP foi quase ausente em 2018

Se a presença da torcida representa no futebol o 12º jogador em campo, este foi um item que faltou ao Atlético Clube Paranavaí em 2018. Na 1ª fase em 5 jogos disputados no Estádio Municipal Waldemiro Wagner a média de público foi de 316,8 por jogo.
Foram 1.584 torcedores pagantes durante toda esta fase. Nos jogos fora de casa foram 1.662 pagantes com média de 415,25 por jogo, totalizando durante a 1ª fase em 9 jogos dentro e fora de casa 3.246 pagantes, com média de 360,66 pagantes por jogo.
Na 2ª fase foram realizados pelo ACP apenas 5 jogos. Nos três jogos realizados em casa apenas 232 torcedores pagaram ingresso, proporcionando média de 77,3 pagantes por jogo. O ACP realizou apenas 2 jogos fora de casa (não compareceu contra o Independente em São José dos Pinhais), com a presença de 203 pagantes no total, o que deu média de 101,5 por jogo.
No total nesta fase foram 435 pagantes, com média de 87 pagantes em 5 jogos. A curiosidade é que no último jogo, quando goleou o Cascavel por 4×1, houve apenas 2 pagantes de ingressos no Estádio Waldemiro Wagner.
Somando-se o número de torcedores pagantes nas duas fases em 14 jogos o ACP teve a presença média de 262,92 torcedores por jogo.
Essa presença de torcedores pagantes foi catastrófica para as finanças do clube, o que gerou problemas de transporte (não compareceu a um jogo) e quase não atua em casa na última rodada por desacordo com os jogadores, que reclamavam salários em atraso.
Na 1ª fase em 5 jogos em casa a renda proporcionada foi de apenas R$ 15.390,00 e jogos fora de casa R$ 21.030,00. Na 2ª fase os jogos do ACP proporcionaram renda total em casa de R$ 2.870,00 e fora de casa R$ 2.340,00. No total a renda proporcionada em 8 jogos do ACP no Estádio Waldemiro Wagner foi de R$ 18.260,00, com média de R$ 2.282,50 por jogo.
Mas, a renda também fica totalmente o clube mandante. É que existem as despesas com arbitragem e taxas que giram em m´pedia em torno de R$ 5 mil jogo.
Todos os jogos do ACP realizados em Paranavaí foram deficitários. A rigor, apenas os jogos que o ACP realizou em Cornélio Procópio contra o PSTC (saldo positivo de 4.227,30) e em Iraty (saldo de 5.726,05) não apresentaram déficit.
As estatísticas do ACP são contrapostas a concorrentes que se classificaram para 1ª Divisão no ano que vem. O Operário de Ponta Grossa teve renda média de R$ 38.673,75 nos 5 jogos que disputou em casa na 1ª fase e R$ 50.101,66 na 2ª fase. Sua melhor arrecadação ocorreu contra o PSTC na 5ª rodada da 2ª fase: R$ 68.320,00. Depois do cascavel os times com melhor público e renda foram o Batel (média de 13.724,00 na 1ª fase e R$ 6.528,00 na 2ª fase); Iraty (média de 9.513,00 na 1ª fase e R$ 8.806,00 na 2ª fase); e Cascavel (média de 1,122,00 na 1ª fase e R$ 3.156,00 na 2ª fase). (SB)

Artilheiros do ACP não fizeram feio

Com 20 gols marcados em 15 jogos, os artilheiros do Atlético Clube Paranavaí não fizeram feio no campeonato da 2ª Divisão de 2018. Na artilharia o ACP ficou em 5º lugar, à frente de outros cinco times.
Os principais artilheiros do campeonato foram Wanderley (cascavel) e Matheus (PSTC) com 8 gols cada, seguidos de Thiago (Operário) com 7. Os paranavaienses Thiago e César marcaram 4 gols cada um; Damião e Leonardo 3; Kaíque e Gustavo 2; Diego e Hércules 1.
A média de gols sofridos também deixou os dois goleiros utilizados pelo ACP em boa posição. Eles sofreram 18 gols em 15 jogos. Romero atuou em 13 jogos e sofreu 12 gols (média de 1,0833), enquanto que Luís Augusto atuou em 2 jogos e sofreu 3 gols (média de 0,66). (SB).

Fonte: Jornal Diário do Noroeste