Após três jogos sem vitória, o São Lucas entrou em quadra anteontem como “zebra” para enfrentar Marechal Cândido Rondon, então líder do Campeonato Paranaense de Futsal com 100% de aproveitamento.
O jogo no Ginásio Lacerda Braga, em Paranavaí, possibilitou dois tempos distintos. No primeiro, o time de Marechal Rondon “deitou e rolou” em quadra, abrindo fácil o placar de 3×0, acuando o jovem time de casa.
Mas no segundo tempo veio a virada, e foi monstruosa, do São Lucas, uma reação que pouca gente acreditava. Os meninos do São Lucas fizeram um segundo tempo espetacular e buscaram a virada.
“Na verdade até nós, quando o placar estava 3×0, não acreditava na virada, a gente sentia um pouco de desconfiança. É como eu sempre tenho falado, a gente nunca sabe o que essa molecada tem guardado”, disse o técnico Carlos Giuliano.
Se no 1º tempo o jovem time do São Lucas perdeu de 3×1, no segundo tempo construiu o placar de 4×1. Na soma dos dois tempos, vitória da equipe de Paranavaí por 5×4.
“Foi a vitória de Davi contra Golias, trabalhamos a semana inteira e Deus nos abençoou, conseguimos buscar o resultado”, disse o ala Léo, de 21 anos, que foi um monstro em quadra, marcando três gols, e os três em cobrança de faltas.
“Foi a noite do Léo, temos que tirar o chapéu pra ele, teve uma atuação inesquecível. Acho que num todo foi uma vitória muito bonita, eu fiquei surpreso até pela reação da equipe. É uma equipe que tem potencial e colocou tudo para fora. Quem veio ao ginásio vai demorar para esquecer o resultado”, frisou Carlos Giuliano.
Para o jogador Wesley, que pode ser considerado o mais experiente do grupo, o São Lucas iria ter de se desdobrar em quadra por ter atletas muito jovens para enfrentar um time da Liga Nacional. “A gente sabia que tinha que correr mais do que eles. Experiência eles tinham, mas mais vontade do que nós, não. E foi o que mostramos para este maravilhoso público”, disse.
Wesley afirma que a equipe teve a tranquilidade “de um time grande para buscar o jogo e virar o placar” e não viu menosprezo no adversário quando abriu o placar de 3×0. “Não acho que eles nos menosprezaram, eles sabem como é difícil jogar aqui. Há dois anos nós tiramos eles nas quartas de final, em 2011 também, tivemos uma maturidade contagiante”.
SUSTO – No segundo tempo, houve um choque entre o goleiro Daniel, do Marechal, e o Gabriel. O lance foi assustador, mas nem falta foi marcada.
Gabriel, do São Lucas, teve de sair de maca, mas, curiosamente, retornou e logo em seguida foi colocado em quadra. “O Gabriel mostrou o espírito da equipe. É um projeto de reestruturação do São Lucas, eles compraram a ideia. Sabemos que temos muita coisa pela frente, a equipe apresentou seu potencial”, frisou Giuliano.

Técnico do Marechal fala do equilíbrio emocional
O técnico Paulo Fernando, de Marechal Rondon, não gostou nada do desempenho de seu time. Disse que os três gols sofridos de falta foram determinantes para a derrota e até citou a questão de equilíbrio emocional de seus jogadores, já que chegaram a estar vencendo de 3×0 e permitiram a reação do São Lucas.
“Esses três gols de bola parada pesaram. Se foram faltas ou não, a arbitragem marcou, e falhamos no equilíbrio emocional, mas serve de aprendizado. Eu saio chateado pela postura, pela falta de concentração em um jogo que estava totalmente em nossas mãos. Eles não tiveram nenhuma chance (no 1º tempo), a não ser em um chute fora. Erramos tiro livre, tivemos chances de aumentar o placar por várias ocasiões, em baixo do gol. Isso vai penalizando e o quesito falta definiu o resultado. Eles aproveitaram”.
O técnico do Marechal Rondon acusou a queda de concentração de sua equipe e viu o São Lucas crescer em motivação, “e deu no que deu. Tentamos com o goleiro linha, erramos passes e quando você erra paga-se caro”.
Paulo Fernando reconheceu que o placar e a situação do jogo no primeiro tempo fez seu time relaxar, ressaltando, entretanto, que não houve menosprezo em momento algum.
“Achamos que o adversário já estava morto. Colocamos o São Lucas no jogo quando cometemos um grande número de faltas. Temos que jogar mais focado e concentrado nos próximos jogos. Cobrança (ao elenco) vai ter, isso faz parte do trabalho. Não fizemos um segundo tempo bom para vencer, mas isso não tira os méritos do São Lucas, que soube aproveitar o momento. Não houve menosprezo, basta você dar uma chance ao adversário (para ele reagir) e foi o que aconteceu”.

FICHA TÉCNICA
São Lucas 5×4 Marechal Cândido Rondon

4ª rodada do Paranaense de Futsal. Local: Ginásio Antônio Lacerda Braga, em Paranavaí. Data: 10/04/2018. Árbitros: Ednei Custódio da Silva e Janderson Lugli. Anotadora: Nathana Sumaya Oliveira Santos. Cronometrista – Zilbo Tomaroli Filho. Representante: Adilson Bitencurte de Proença.
Gols: Barbosinha (MCR), aos 11 min; Bruno (MCR) aos 12 e 13min24; Wesley (SL), aos 19min30 do 1º tempo. Léo (SL), aos 2 min; aos 13 min e aos 14min48; Wesley (SL), aos 17 min e Parrel (MCR), aos 19min29 do 2º tempo.
EQUIPES:
São Lucas: Chimbinha, Wesley, Caio, Matheus, Léo, Alan, Felipe, Gabriel, Luiz Fernando, Vagner e Gustavo. Técnico: Carlos Giuliano da Silva.
Marechal Rondon: Daniel, Parrel, Diece, Meira, Bruno, Barbosinha, Xande, Vilian, Caio Barros, Suelton e Biel. Técnico: Paulo Fernando Sartor.

Fonte: Jornal Diário do Noroeste